Whole Pack Invexológico

  • Tertúlia 4546
  • Data: segunda, 16 de julho 2018
  • Especialidade: Invexologia
  • Tema central: Homeostático
  • Verbetógrafo: Filipe Colpo

O whole pack invexológico é a condição ou reação pessoal na qual a jovem conscin lúcida, homem ou mulher, aceita e encara integralmente, de maneira proativa, o pacote completo dos desafios propostos pela inversão existencial, sem manifestação de incertezas, dúvidas mortificadoras ou autoconflitos quanto às metas e procedimentos dessa técnica evolutiva.

Você, leitor ou leitora, na condição de inversor ou inversora existencial, já refletiu sobre a extensão do whole pack invexológico? Quais conquistas já possui dentro da Ficha Evolutiva Pessoal (FEP)?

      WHOLE         PACK INVEXOLÓGICO
                                       (INVEXOLOGIA)


                                          I. Conformática

          Definologia. O whole pack invexológico é a condição ou reação pessoal na qual a jovem conscin lúcida, homem ou mulher, aceita e encara integralmente, de maneira proativa, o pacote completo dos desafios propostos pela inversão existencial, sem manifestação de incertezas, dúvidas mortificadoras ou autoconflitos quanto às metas e procedimentos dessa técnica evolutiva.
          Tematologia. Tema central homeostático.
          Etimologia. A palavra do idioma Inglês whole provém do idioma Inglês Antigo, hal, “inteiro; saudável; incólume”, e essa possivelmente do idioma Germânico Pré-Histórico, khailaz, “incólume”. Apareceu no Século XV. O termo do idioma Inglês pack é provavelmente adaptação do idioma Holandês Medieval, pac, “pacote; fardo; feixe”, ou do idioma Germânico Medieval, pak. Surgiu por volta do Século XIII. O vocábulo inversão procede do idioma Latim, inversio, “inversão; transposição em retórica; ironia; anástrofe; alegoria”, de invertere, “virar; voltar o avesso; revolver; derrubar; deitar abaixo; inverter; transtornar”. Surgiu no Século XIX. O termo existencial deriva do idioma Latim Tardio, existentialis, “existencial; relativo ao aparecimento”, de existere, “aparecer; nascer; deixar-se ver; mostrar-se; apresentar-se; existir; ser; ter existência real”. Apareceu também no Século XIX. O elemento de composição logia vem do idioma Grego, lógos, “Ciência; Arte; tratado; exposição cabal; tratamento sistemático de 1 tema”.
          Sinonimologia: 1. Pacote completo da invéxis. 2. Conjunto de diretrizes da invéxis 3. Assunção total dos desafios invexológicos.
          Neologia. As 3 expressões compostas whole pack invexológico, whole pack invexológico preparatório e whole pack invexológico executivo são neologismos técnicos da Invexologia.
          Antonimologia: 1. Assunção parcial da invéxis. 2. Pseudoinvéxis. 3. Meia inversão existencial.
          Estrangeirismologia: o whole pack invexológico; a adoção integral do corpus da Invexologia; a profilaxia da invéxis fake; a ilogicidade do inversor existencial freelancer evolutivo; o strong profile; o rapport com o Curso Intermissivo (CI); as diretrizes da invéxis atuando em favor do timing da autoproéxis; a coragem duradoura ao enfrentar o step by step da invéxis; o upgrade evolutivo através da invéxis.
          Atributologia: predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento quanto aos desafios invexológicos.


                                            II. Fatuística

          Pensenologia: o holopensene pessoal da Invexologia; os invexopensenes; a invexopensenidade; os criticopensenes; a criticopensenidade; os analiticopensenes; a analiticopensenidade; os prioropensenes; a prioropensenidade; os evoluciopensenes; a evoluciopensenidade; os tecnopensenes; a tecnopensenidade; as decisões firmes expressas na autopensenização clara; a coragem evolutiva quanto aos desafios invexológicos manifesta no holopensene pessoal.
          Fatologia: os desafios evolutivos da Invexologia; o conjunto de disposições da invéxis; o pacote de conquistas propostos pela invéxis; os procedimentos técnicos da invéxis; a inteligência evolutiva (IE) aplicada desde a mocidade; o autoposicionamento frente à inversão existencial; os autoconflitos invexológicos levando à invéxis meia-força ou à pseudoinvéxis; o Grinvex, o Cinvéxis e a Sinvéxis enquanto ferramentas de elucidação da prática da invéxis; a atual possibilidade de analisar as diversas facetas da invéxis a partir dos diferentes exemplos de inversores existenciais; a impossibilidade de assumir apenas parte da invéxis; a incoerência crassa de planejar a prática da invéxis apenas até certa idade; a coragem consciencial em aplicar a invéxis; a racionalidade do mentalsoma se sobrepondo às inseguranças do psicossoma; o grau de recuperação de cons na adolescência; as consequências pessoais da autorreconhecimento enquanto intermissivista; as precocidades intermissivistas indicando a responsabilidade da jovem conscin inversora; a invéxis enquanto antítese dos vícios e engodos juvenis; a teática inversiva enquanto antítese do comodismo; a profilaxia contra a procrastinação estagnadora; a inortodoxia; a saída da zona de conforto patológica; as autoprioridades claras desde tenra idade; o ânimo evolutivo; a proatividade linear; a precocidade das conquistas evolutivas enquanto unidade de medida da invéxis; a consecução consciente da autoproéxis; a autoprescrição coerente com a bússola consciencial; o ato de não titubear frente aos desafios inversivos; os diferentes desafios da invéxis de acordo com as faixas etárias da vida humana; as autodisposições; a postura cosmoética de autoimperdoamento; o autabsolutismo; a autodeterminação; o radicalismo cosmoético; a ancoragem consciencial em bases evolutivas; a visão de longo prazo; as metas do inversor existencial aos 40 anos de idade dispostas no livro 700 Experimentos da Conscienciologia; o resultado dos inversores veteranos enquanto exemplo e aspiração para os jovens inversores; o invexograma; as pesquisas e debates sobre as diretrizes da invéxis realizados na Associação Internacional de Inversão Existencial (ASSINVÉXIS); o ato de assumir integralmente os reptos da invéxis enquanto principal dinamizador da autoperformance consciencial.
          Parafatologia: a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; os compromissos assumidos pré-ressomáticos; os reflexos intrafísicos oriundos da paravivência do Curso Intermissivo; as ideias inatas convergentes com a inversão existencial; o amparo extrafísico enquanto coadjuvante da invéxis; o maior entrosamento com o amparo extrafísico derivado da sequência de conquistas proéxicas; o desenvolvimento da tridotação consciencial enquanto base dos desafios invexológicos; o parafato do Curso Intermissivo ter sido criado para gerar frutos; o tempo dos Cursos Intermissivos; a colheita intermissiva; o compléxis enquanto pripri da invéxis; o megacompléxis enquanto menina dos olhos dos inversores existenciais.


                                          III. Detalhismo

          Sinergismologia: o sinergismo coragem-discernimento; o sinergismo valores pessoais–valores invexológicos; o sinergismo planejamento-linearidade; o sinergismo proatividade-autorganização; o sinergismo recuperação de cons–docência conscienciológica; o sinergismo Grinvex-ASSINVÉXIS; o sinergismo oriundo da interação de diferentes gerações de inversores existenciais.
          Principiologia: o princípio do posicionamento pessoal (PPP); o princípio “isto não é para mim”; o princípio da prioridade compulsória; o princípio do autesforço insubstituível; o princípio da exequibilidade das ideias do Curso Intermissivo pessoal.
          Codigologia: o código pessoal de Cosmoética (CPC) aplicado à reflexão, posicionamento e teática invexológica.
          Teoriologia: a teoria da proéxis; a teoria da recuperação de cons; a teoria dos mata-burros da invéxis; a teoria do megafoco consciencial; a teática de 1% de teoria e 99% de suor evolutivo na marcha rumo ao compléxis.
          Tecnologia: a técnica da autorreflexão de 5 horas; a cronologia da técnica da invéxis.
          Voluntariologia: o voluntariado na ASSINVÉXIS; os voluntários participantes dos Grinvexes.
          Laboratoriologia: o laboratório conscienciológico da Autorganizaciologia; o laboratório conscienciológico do Curso Intermissivo; o laboratório conscienciológico da Autoparageneticologia; o laboratório conscienciológico da Autocosmoeticologia; o laboratório conscienciológico da Autevoluciologia.
          Colegiologia: o Colégio Invisível da Invexologia; o Colégio Invisível da Recexologia; o Colégio Invisível da Paratecnologia.
          Efeitologia: o efeito halo das decisões ocorridas na fase preparatória da proéxis; o efeito na cognição fruto da participação em Grinvex durante a mocidade; o efeito das provocações inversivas na intraconsciencialidade do jovem intermissivista; o efeito da coragem consciencial nas oportunidades interassistenciais; o efeito do autabsolutismo duradouro na performance evolutiva.
          Neossinapsologia: as neossinapses derivadas das paraneossinapses intermissivas; as neossinapses geradas na participação de eventos invexológicos; as paraneossinapses oriundas da prática inversiva feita de maneira profissional.
          Ciclologia: o ciclo reflexão-posicionamento; o ciclo teoria-prática; o ciclo fluxo-contrafluxo; o ciclo fase preparatória da proéxis–fase consecutiva da proéxis–fase acabativa da proéxis.
          Enumerologia: a autodeterminação gesconológica; a autodeterminação tarística; a autodeterminação parapsíquica; a autodeterminação tenepessológica; a autodeterminação despertológica; a autodeterminação proexológica; a autodeterminação cosmoética.
          Binomiologia: o binômio autoposicionamento-autopacificação; o binômio coragem-autocrítica; o binômio antimaternidade sadia–gestações conscienciais; o binômio empenho-resultado; o binômio leitura-debate; o binômio megafoco-cosmovisão; o binômio megagescon-compléxis.
          Interaciologia: a interação reflexão profunda–decisão discernida; a interação autocognição-autabsolutismo; a interação proatividade-acabativa; a interação automotivação–rendimento evolutivo maior; a interação invéxis-recin.
          Crescendologia: o crescendo evolutivo das crises de crescimento a partir da invéxis; o crescendo interassistencial EV-tenepes-desperticidade-ofiex.
          Trinomiologia: as realizações pessoais fundamentadas no trinômio motivação-trabalho-lazer; o megacompléxis materializado pelo trinômio desperticidade-ofiex-compléxis.
          Polinomiologia: o pentatlo duplista expresso no polinômio invéxis-tenepes-epicentrismo-desperticidade-ofiex.
          Antagonismologia: o antagonismo coragem / medo; o antagonismo reflexão / impulsividade; o antagonismo proatividade / acomodação; o antagonismo realidade / aparência; o antagonismo assunção integral / assunção parcial.
          Paradoxologia: o paradoxo de, ainda na mocidade, descortinar a Autocronologia Futura através dos desafios magnos da invéxis; o paradoxo de a tenepes profissional poder ser vivenciada ainda durante fase preparatória da vida; o paradoxo de viver a mocidade projetando a própria adultidade e velhice.
          Politicologia: a invexocracia; a proexocracia; a tecnocracia; a lucidocracia; a discernimentocracia; a autocriticocracia; a cosmoeticocracia; a assistenciocracia; a cognocracia; a meritocracia; a evoluciocracia.
          Legislogia: a lei do maior esforço evolutivo aplicada a coerência invexológica; a lei da ação e reação; as leis da Fisiologia Humana permeando a cronologia dos desafios inversivos.
          Filiologia: a invexofilia; a tecnofilia; a neofilia; a criticofilia; a autopesquisofilia; a definofilia; a decidofilia; a logicofilia; a retilineofilia; a ortofilia; a mentalsomatofilia; a bibliofilia; a grafofilia; a evoluciofilia.
          Fobiologia: a invéxis funcionando enquanto profilaxia contra o medo de assumir responsabilidades.
          Sindromologia: a evitação da síndrome da dispersão consciencial; a eliminação da síndrome da mediocrização.
          Maniologia: a prevenção da mania de se nivelar por baixo.
          Mitologia: a exclusão do mito da inspiração sem transpiração; a queda do mito da invéxis enquanto condição, ao invés de técnica.
          Holotecologia: a invexoteca; a intermissioteca; a proexoteca; a ciencioteca; a cognoteca; a logicoteca; a mentalsomatoteca; a criticoteca; a recinoteca; a metodoteca; a evolucioteca.
          Interdisciplinologia: a Invexologia; a Autodiscernimentologia; a Autoinvexometrologia; a Autoproexologia; a Intrafisicologia; a Desviologia; a Experimentologia; a Grinvexologia; a Intermissiologia; a Liderologia; a Despertologia; a Evoluciologia; a Completismologia.


                                           IV. Perfilologia

          Elencologia: a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassistencial; a conscin enciclopedista; a conscin praticante da técnica da invéxis.
          Masculinologia: o inversor existencial; o agente retrocognitor inato; o inversor existencial veterano; o invexólogo.
          Femininologia: a inversora existencial; a agente retrocognitora inata; a inversora existencial veterana; a invexóloga.
          Hominologia: o Homo sapiens inversor; o Homo sapiens autocriticus; o Homo sapiens prospectivus; o Homo sapiens interassistentialis; o Homo sapiens proexista; o Homo sapiens prioritarius; o Homo sapiens autodeterminator.


                                         V. Argumentologia

          Exemplologia: whole pack invexológico preparatório = o ato de encarar integralmente os desafios da inversão existencial durante a fase preparatória da vida humana; whole pack invexológico executivo = a ação de enfrentar o conjunto completo das metas da inversão existencial próprias da fase executiva da vida humana.
          Culturologia: a cultura da inversão existencial.
          Assunção. À luz da Autodiscernimentologia, assumir a inversão existencial enquanto técnica de vida incute, necessária e automaticamente, a assunção de diversas metas evolutivas a serem conquistadas pela conscin intermissivista. Inexiste a possibilidade de descartar parte da técnica, visto esta abranger toda a vida humana visando o máximo desempenho proexológico.
          Crescendo. A conscin inversora existencial deve ter em mente os crescentes autenfrentamentos proporcionados pela prática desta técnica, considerando os neodesafios evolutivos propostos para os diferentes momentos da vida humana. Por lógica, as crises de crescimento desencadeadas pela prática inversiva na fase executiva da proéxis não podem ser as mesmas crises da fase preparatória. Invéxis exige neopatamares.
          Desafiologia. De acordo com a Invexologia, eis, em ordem alfabética, 50 desafios objetivos, prioritários e exequíveis, inerentes a todo praticante da técnica da invéxis, expressando o nível de abrangência do whole pack invexológico:
          01. Amizades. Cultivar amizades intermissivas profícuas, sem conchavos ou pactos velados patológicos, com produção interassistencial para além dos vínculos afetivos.
          02. Amparo. Ter contato direto e íntimo com amparo de função, sendo capaz de identificar características e especialidades da companhia extrafísica cosmoética.
          03. Antelucano. Dominar o sono e o sistema nervoso central para produzir rotineiramente durante madrugada, criando ambiente de menor desvio à gestação mentalsomática.
          04. Antimaternidade. Priorizar as gestações conscienciais em detrimento à gestação humana, sem conflitos íntimos ou dúvidas mortificadoras.
          05. Antiporão. Erradicar as manifestações instintivas, próprias do porão consciencial.
          06. Artigos. Publicar artigos tarísticos entrosados com o megafoco proexológico, desabrochando as capacidades mentaissomáticas e perfazendo sustentáculo intelectivo para proposição de neoverpons em futuros livros.
          07. Assim. Promover, com desenvoltura, assimilações simpáticas em atuações interassistenciais, paradiagnosticando condições do microuniverso de outrem sem perder a lucidez multidimensional.
          08. Autodidatismo. Implantar rotina permanente de leitura útil, trazendo a holomemória à memória cerebral através de arcabouço sustentador da recuperação de cons.
          09. Autorganização. Saber levar de eito diferentes atividades humanas, intraconscienciais e proexológicas, com equilíbrio holossomático.
          10. Autorretrocognições. Lembrar de vivências passadas, buscando compor enredo através dos diferentes flashes rememorados.
          11. Biblioteca. Constituir acervo pessoal de livros, inclusive com especialidades temáticas, mantenedora do holopensene bibliofílico pessoal otimizador do desenvolvimento cognitivo.
          12. Compléxis. Alcançar o completismo da autoproéxis, honrando os compromissos assumidos em período pré-ressomático.
          13. Desassim. Promover, com desenvoltura, desassimilações simpáticas após interações multidimensionais, desintoxicando a holosfera pessoal de qualquer resquício de energia patológica e desequilibrada.
          14. Desperticidade. Assumir condição de desassedialidade permanente total, destravando os caminhos da interassistencialidade.
          15. Docência. Ministrar aulas, introdutórias e avançadas, quanto ao cerne do materpensene da autoproéxis, inclusive na condição de itinerante em viagens nacionais e internacionais.
          16. Duplismo. Constituir dupla evolutiva (DE) bem-sucedida, com produções gesconológicas evidentes, proporcionando sinergismo proexológico.
          17. Enciclopedismo. Defender neoverbete na Enciclopédia da Conscienciologia, participando do megarrevezamento multiexistencial grupal.
          18. Entrevista. Aproveitar megaencontro singular com Serenão, intrafisicamente ou projetado, para revisar o próprio modus vivendi tal qual curso consciencial de pós-doutorado personalizado.
          19. Epicentrismo. Vivenciar condição de epicon lúcido, atuando enquanto fulcro de lucidez multidimensional para conscins e consciexes.
          20. Erudição. Possuir cabedal intelectual erudito oriundo do investimento em leitura e pesquisa, conduzindo ao crescendo erudição humana–erudição parapsíquica.
          21. EV. Dominar o estado vibracional em qualquer contexto, instalando a manobra energética diariamente de maneira profilática.
          22. Família. Assistir a parentela através do trinômio acolhimento-orientação-encaminhamento, em especial o núcleo familiar, promovendo a libertação de interprisões grupocármicas.
          23. Formação. Obter diploma acadêmico, de ofício notadamente cosmoético, estabelecendo as bases para atuação profissional.
          24. Genopensene. Compreender o conteúdo das próprias ideias inatas, direcionando o maxiplanejamento invexológico de acordo com os mandatos intermissivos rememorados.
          25. Grafopensene. Ter desenvoltura quanto à produtividade gesconológica pessoal, sustentando rotina redacional tarística diária.
          26. Imobilidade física vígil (IFV). Dominar minimamente o próprio soma, sendo capaz de ficar 3 horas imóvel através da técnica da imobilidade física vígil.
          27. Iscagem consciente. Perceber a atração de consciex enfermas para a própria psicosfera, patrocinada por amparador de função, de modo a promover o heterodespertamento assistencial da consciência energívora.
          28. Liderança. Ser líder interassistencial perante as demandas do grupo evolutivo mais afim à autoproéxis, sejam assistentes ou assistidos, sem demonstrar pusilanimidade.
          29. Livros. Publicar livros tarísticos, sem interesse econômico-financeiro, alinhados ao materpensene do megafoco autoproéxico.
          30. Materpensene. Convergir materpensene para o megatrafor, embasando a própria manifestação através da megaferramenta interassistencial pessoal.
          31. Maxiplanejamento. Estruturar metas de curto, médio e longo prazo a partir da identificação do megafoco interassistencial, visando o vislumbre da materialização da megagescon e futura obtenção do autocompléxis.
          32. Megafoco. Ter clareza quanto à prioridade autoproéxica, retratada didaticamente através de especialidade conscienciológica centrífuga.
          33. Megagescon. Materializar obra-prima em favor da Humanidade e Para-Humanidade, alcançando o compléxis e encaminhando o autorrevezamento multiexistencial.
          34. Megatrafar. Identificar a maior parapatologia pessoal através de ferramentas autoconscienciométricas, com investimento em estratégias e técnicas de reciclagem íntima.
          35. Megatrafor. Identificar o principal traço-força através de técnicas de autopesquisa, o utilizando enquanto fundamento do desenvolvimento autoproéxico.
          36. Ofiex. Instalar oficina extrafísica pessoal, funcionando enquanto extensão da autopensenidade homeostática.
          37. Pesquisador independente. Alcançar condição de dedicação integral à proéxis através da consolidação de pé-de-meia equilibrado e cosmoético.
          38. Poliglotismo. Aumentar as possibilidades de recebimento e doação de ideias através da interlocução fluida em múltiplos idiomas.
          39. Precocidades intermissivistas. Antecipar vida executiva através de conquistas evolutivas precoces e evidentes, delineadoras da singularidade pessoal.
          40. Pré-intermissão. Preparar o próximo período extrafísico através de sementeira intrafísica que culmine em colheita intermissiva.
          41. Profissão. Consolidar carreira profissional cosmoética e interassistencial escolhida conscientemente de acordo com a autoproéxis, iniciando a construção do pé-de-meia.
          42. Projetabilidade lúcida. Experimentar projeções de consciência contínua, com impactos positivos na ampliação da interassistencialidade.
          43. Retribuição. Retribuir às neoconscins os aportes proexológicos recebidos em fase imberbe.
          44. Rotina. Implantar rotina inteligente para manutenção de holopensene produtivo e evolutivo.
          45. Sinaléticas energéticas. Identificar conteúdo das sinaléticas energéticas e parapsíquicas pessoais, as empregando conscientemente nas interações interassistenciais.
          46. Somaticidade. Realizar a autoidentificação somática visando entender o funcionamento do próprio corpo biológico visando manter homeostase física.
          47. Tares. Atuar enquanto agente retrocognitor inato na recuperação de cons e dinamização da proéxis dos colegas egressos de Curso Intermissivo.
          48. Tenepes. Ser praticante da tarefa energética pessoal com alto grau de profissionalismo, desenvoltura e conexão com amparo de função, centrando inteligentemente a própria vida em torno desta técnica interassistencial.
          49. Terceiro tempo. Entrar no período distributivo da proéxis para além dos colegas participantes de Curso Intermissivo, alcançando a interassistência às conscins eletronóticas.
          50. Voluntariado. Adentrar precocemente no voluntariado cosmoético, integrando grupo de convivência interassistencial e reformador social.


                                           VI. Acabativa

          Remissiologia. Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas centrais, evidenciando relação estreita com o whole pack invexológico, indicados para a expansão das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
          01. Aceleração da História Pessoal: Evoluciologia; Homeostático.
          02. Antidispersão invexológica: Invexologia; Homeostático.
          03. Autexclusivismo inversivo: Autoinvexometrologia; Homeostático.
          04. Autoconflito invexológico: Autoconsciencioterapia; Nosográfico.
          05. Autolucidez antecipada: Autolucidologia; Homeostático.
          06. Bilibertação inversora: Invexologia; Neutro.
          07. Cinco ciclos: Autoproexologia; Homeostático.
            08.   Coerência invexológica: Invexologia; Homeostático.
            09.   Intermissivista: Intermissiologia; Homeostático.
            10.   Maxiplanejamento invexológico: Invexologia; Homeostático.
            11.   Megaencontro crítico: Automegadiscernimentologia; Homeostático.
            12.   Megafocalização precoce: Invexologia; Homeostático.
            13.   Nulificação da infância: Autevoluciologia; Homeostático.
            14.   Ser desperto: Despertologia; Homeostático.
            15.   Whole pack conscienciológico: Autodiscernimentologia; Homeostático.
   A INVÉXIS É DESAFIO AVANÇADO E ABRANGE TODAS
 AS ÁREAS DA VIDA DO INTERMISSIVISTA. PARA EVITAR
  A INVÉXIS MEIA-SOLA, VALE A AVALIAÇÃO FRIA SOBRE
    A REAL ASSUNÇÃO DO WHOLE PACK INVEXOLÓGICO.
            Questionologia. Você, leitor ou leitora, na condição de inversor ou inversora existencial, já refletiu sobre a extensão do whole pack invexológico? Quais conquistas já possui dentro da Ficha Evolutiva Pessoal (FEP)?
            Bibliografia Específica:
            1. Colpo, Filipe; Fundamentos do Maxiplanejamento Invexológico; Artigo; Anais do X Congresso Internacional de Inversão Existencial; Foz do Iguaçu, PR; 16-19.07.12; Conscientia; Revista; Trimestral; Vol. 15; N. 3; Seção: Temas da Conscienciologia; 1 E-mail; 22 enus.; 1 nota; 10 refs.; Associação Internacional do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC); Foz do Iguaçu, PR; Julho-Setembro, 2011; páginas 423 a 443.
            2. Nonato, Alexandre; Invexograma: Auto-Avaliação da Invéxis; Artigo; I Congresso de Verponologia; Foz do Iguaçu, PR; 13-15.07.07; Conscientia; Revista; Trimestral; Vol. 11; 2-S; Seção: Conferência; 1 E-mail; 4 enus.; 1 tab.; 6 refs.; Associação Internacional do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC); Foz do Iguaçu, PR; Julho, 2007; páginas 77 a 81.
            3. Idem; et al.; Inversão Existencial: Autoconhecimento, Assistência e Evolução desde a Juventude; pref. Waldo Vieira; 304 p.; 70 caps.; 17 E-mails; 62 enus; 16 fotos; 5 microbiografias; 7 tabs.; 17 websites; glos. 155 termos; 376 refs.; 1 apênd.; alf.; 23 x 16 cm; br.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2011; páginas 18 a 217.
            4. Safer, Jeane; Além da Maternidade: Optando por uma Vida sem Filhos (Beyond Motherhood); rev. Patrícia Carla Rodrigues; & Sheila Fabre; trad. Eduardo Pereira e Ferreira; 204 p.; 7 caps.; 1 endereço; 3 enus.; 21 x 14 cm; br.; Editora Mandarim; São Paulo, SP; 1997; páginas 15 a 202.
            5. Vieira, Waldo; Manual da Proéxis: Programação Existencial; revisores Alexander Steiner; Cristiane Ferraro; & Kátia Arakaki; 174 p.; 40 caps.; 32 E-mails; 86 enus.; 1 foto; 1 microbiografia; 5 websites; 17 refs.; alf.; 21 x 14 cm; br.; 3ª Ed.; Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (IIPC); Rio de Janeiro, RJ; 2003; páginas 61 a 71.
            6. Idem; 700 Experimentos da Conscienciologia; 1.058 p.; 40 seções; 100 subseções; 700 caps.; 147 abrevs.; 1 cronologia; 100 datas; 1 E-mail; 600 enus.; 272 estrangeirismos; 2 tabs.; 300 testes; glos. 280 termos; 5.116 refs.; alf.; geo.; ono.; 28,5 x 21,5 x 7 cm; enc.; Instituto Internacional de Projeciologia; Rio de Janeiro, RJ; 1994; páginas 689 a 715.
                                                                                                                      F. C.